Notícias

29 de maio de 2020

2020: um ano de desafios para o Unimarketing


Everton Marques
Ampliar foto
A aluna Kelly Cristina com Rodrigo Dabes, autor de “Trans-Formação – O poder do Mago”

Com mais de uma década de realização e anualmente aguardado por universitários e empresários da região de Alfenas, no sul de Minas, o Unimarketing – Feira de Negócios e Marketing da UNIFENAS em 2020 foi “reinventado”. Pelo Instagram do evento, que está na sua 16ª edição, empresas divulgaram os seus produtos e o palestrante e escritor Rodrigo Dabes partilhou seu conhecimento na Live a “Era Digital – O desafio não está somente na tecnologia”. Os estudantes do 7º período do curso de Administração FGV/UNIFENAS foram responsáveis pela organização do Unimarketing no dia 21 de maio.

Com a mediação da aluna Kelly Cristina Miquelino Jugeick, a Live com Rodrigo Dabes permitiu um bate-papo relacionado à área de vendas, marketing, gestão estratégica & negócios, ou seja, conhecer melhor o campo de atuação do convidado. A proposta, como destacada pelos alunos do 7º período, foi “entender um pouco mais sobre o que a era digital trará no contexto empresarial, suas mudanças, desafios e como ela transformará as pessoas e as relações”.

A professora Fernanda da Silveira Joia, que juntamente com a professora Sandra de Souza Aves coordenou os estudantes na organização do Unimarketing, disse que ao focar-se nos desafios da Era Digital devemos evitar deixar para o segundo plano a gestão, a liderança, as pessoas. “O avanço rápido dessas estruturas faz com que o acompanhamento e atualização dos conceitos, que se renovam diariamente, seja cada vez mais difícil, tornando-se um desafio em todas as carreiras.”

Na Live, Rodrigo também divulgou o seu livro “Trans-Formação – O poder do Mago”. Na capa da obra, a indicação do que ela trata: “Aprenda como transformar pensamentos e ações em resultados”. As professoras acreditam que o livro seja recomendado “para todo tipo de profissional e empresa”. Afirmam que ele nos leva a pensar nos diferenciais para o negócio e contribui para que possamos nos destacar no mercado.

A opinião da professora Sandra Alves é a de que a resiliência, o trabalho em equipe e a comunicação foram três características que tornaram o evento uma realidade. “Neste ano nos deparamos com o cenário da pandemia e confesso que não realizá-lo [Unimarketing] presencialmente foi algo que, a princípio, nos deixou ‘sem chão’. Mas não queríamos parar e nem os alunos. Como sempre tivemos que nos reinventar e decidimos com eles fazer o evento de forma virtual”, afirmou a professora.

As empresas Stark Engenharia Elétrica, Boi nos Aires, Agrotec dedetiza, Grão de Ouro Agronegócios, Estilo Automóveis e Web Net acreditaram na proposta do Unimarketing e foram parceiras do evento. Nos stories do Instagram suas marcas e produtos ganharam mais visibilidade. O que permitiu recriar a feira no formato on-line. Ao final da Live de Rodrigo Dabes, que contou com mais de 200 participantes, houve sorteios de brindes e uma Live Show com Emerson GASP.

Ao lançar um olhar para a história do Unimarketing, a professora Juliana Mafra Salgado Andrade, coordenadora do curso de Administração da UNIFENAS, destacou que o evento passou por três grandes desafios. O primeiro teria ocorrido ao criá-lo há 16 anos. O segundo desafio foi quando as palestras saíram de dentro do câmpus e passaram a envolver ainda mais a comunidade de Alfenas e região. Nesta fase se exigiu maior planejamento e organização dos alunos para atender um público de mais de mil pessoas. “Este ano é o terceiro grande desafio. Um desafio bacana porque saímos novamente dos nossos limites. Não só dos limites da cidade de Alfenas e das cidades vizinhas. A gente vai para o mundo, por meio da internet”, destacou a coordenadora.

Ao valorizar o trabalho desenvolvido pelos acadêmicos, com o apoio das duas professoras, Juliana Mafra ressaltou que os docentes da UNIFENAS sempre estimulam os alunos a serem inovadores, a serem criativos, a não ficarem na zona de conforto. “Esse foi o momento para eles experimentarem na prática a necessidade de ser um profissional pró-ativo, um profissional que de fato quer fazer a diferença e que encara tudo aquilo que a vida nos oferece. Então, se esse é um momento de pandemia, um momento de sofrimento para nós, de ficarmos mais recolhidos em casa, por que não aprendermos com isso?”