Notícias

4 de fevereiro de 2022

Motivação e inteligência emocional para iniciar ano letivo

Daniel Godri Júnior, Roger Tonon e Luciana Godri proferem palestras para gestores da UNIFENAS


Everton Marques
Ampliar foto
Gestores da Universidade e os palestrantes Daniel Godri Júnior e Roger Tonon

"Você é a chave para o sucesso". Este foi o tema do 6º Fórum de Gestores da UNIFENAS e que propôs aos participantes um olhar para dentro de si. O encontro ocorre com a consciência de que é preciso mudar a mentalidade para se adequar às mudanças da gestão educacional. Ele debate assuntos atuais da educação e conta com palestras que ajudam a enfrentar os desafios profissionais. No ano em que a UNIFENAS completa 50 anos de fundação, os palestrantes convidados, Daniel Godri Júnior, Roger Tonon, Luciana Godri e Leandro Holanda, abordaram assuntos relacionados à motivação, à inteligência emocional e ao ensino híbrido.

Ao abrir oficialmente a 6ª edição do Fórum, a reitora, professora Maria do Rosário Araújo Velano, fez referência ao Covid-19 e à força de cada um para se reinventar. "Embora a perda do contato humano durante estes dois anos tenha nos empobrecido intelectualmente e socialmente, pondo à prova nossa resiliência e força de vontade, ainda existe dentro de nós uma chama que não se apaga e nos motiva a sermos criativos, dinâmicos e protagonistas de nossa história; pois cabe a cada um de nós, exclusivamente, sermos construtores e agentes de mudança."

No evento se observou que a motivação e a inteligência emocional são duas ferramentas que auxiliam na construção de pessoas, de gestores melhores. O escritor Daniel Godri Júnior, que falou da "Motivação pessoal e coletiva, alta performance e alto desempenho", citou seu pai, Daniel Godri, um dos palestrantes mais influentes do Brasil, para destacar a importância do tema. "Meu pai tinha um slogan, antigo, mas muito atual, sobre esse momento. Ele dizia assim: até as águias precisam de um impulso. Aqui [UNIFENAS] tem um time de águias. Quem é gestor, quem está à frente das unidades, são águias. Já voam alto com certeza! Mas sempre, o ser humano, inclusive eu, nós precisamos de um impulso."

A figura da águia esteve presente em diferentes momentos do Fórum, como quando o professor Mário Sérgio Oliveira Swerts, pró-reitor acadêmico, questionou nossos comportamentos. Somos patos ou águias? Em seguida descreveu que os patos só fazem barulho e se queixam. As águias se elevam acima do grupo. "Que sejamos águias com aquela vontade inconteste de conquistar, de cativar, de nos apaixonar, de fazer o bem, de propagar o bem. Tenho dito, façamos o que nos faz sentido com intensidade e atos buscando incansavelmente a perfeição."

Ao focar na excelência, a automotivação também faz parte do processo de crescimento pessoal. Em relação a este ponto, Daniel Godri Júnior, destacou: "A motivação interna, ela é muito poderosa, muito forte, mais que a motivação externa. Quando a resposta faz sentido! E é justamente por esse motivo que no nosso trabalho a gente entende que não há uma resposta certa. A resposta depende de quem está escutando, de quem está assimilando. O que a gente faz nesse trabalho é dar as ferramentas para a pessoa encontrar a sua própria resposta".



Novas experiências e desenvolvimento



Dinâmicas levaram os participantes a vivenciarem diferentes emoções. A surpresa, o medo e a felicidade afloraram quando um dos gestores se lançou no ar, confiante de que seus parceiros o segurassem. O desafio proposto pelo psicólogo e palestrante Roger Tonon ocorreu na palestra "Inteligência Emocional na Gestão em Tempos Conflitantes". Como afirmou, esta é apenas uma das inteligências do ser humano e que está relacionada à maturidade para se tomar decisões. "Às vezes a pessoa é superinteligente intelectualmente, mas na hora que ela tem que tomar uma decisão relacional, na hora que ela precisa resolver algum conflito interno, às vezes na relação com a família, ela se perde. Então, a inteligência emocional é a habilidade de ter maturidade. E o que é maturidade? Maturidade é a capacidade de administrar os conflitos, inevitáveis, que a vida nos oferece."

A palestrante e administradora Luciana Godri, reforçou que, como ser humano, estamos sujeitos a diferentes emoções, assim como as pessoas que nos cercam. "A questão não é sufocar, não ter emoções! Agora sou uma pedra e não sinto mais nada. É entender que você terá essas emoções e precisa desenvolver essa inteligência emocional; que a gente fala como utilizar, como organizar essas emoções. Como tirar proveito disso de forma que melhore sua convivência social, sua convivência com as pessoas que estejam com você, que são lideradas por você. Então, esse desenvolvimento do que fazer com as emoções é importante. É o que a gente chama de inteligência emocional."

Tonon acrescentou que é impossível para o ser humano fugir da dor e do sofrimento existencial. "O gestor que acha que vai conseguir passar por um processo de gestão e não vai ter que enfrentar conflitos, desafios, questionamentos, as pessoas duvidando de sua capacidade, ele está iludido. É um mundinho de ilusões. Viver é desatar nós cegos. Você volta e meia terá um nó cego para desatar. Aí você vai ter que ter paciência e perseverança."

O 6º Fórum de Gestores da UNIFENAS encerrou com a presença do cofundador da Tríade Educacional, Leandro Holanda. Na oficina "Ensino Híbrido no Contexto da Cultura Digital", ele disse que é um erro entender o ensino híbrido como apenas a combinação de aula presencial com aula on-line. "O ensino híbrido está mais ligado ao que o professor faz em sala de aula, a dinâmica que ele desenvolve e que é focada em metodologias ativas. Então, trazer o on-line de uma forma que o aluno possa conhecer conceitos, explorar conceitos, mas no presencial, no momento que ele está face a face com o estudante, promover uma dinâmica para que ele mobilize esse conceito. Esse é o principal objetivo. É uma relação entre metodologia e organização. Mas não só organização, que é o que tem sido colocado atualmente como ensino híbrido."

A oficina explorou estratégias de ensino que farão diferença na formação do universitário. "O ensino híbrido vem com muita força. Ele já faz parte do design educacional da UNIFENAS. A maioria dos seus cursos já segue um modelo bem próximo do que nós queremos. É claro que é um modelo que está sendo experienciado, já tem a sua efetividade. Mas ele não pode ser engessado, imutável. Ele tem sempre que ser dinâmico, à luz das necessidades do mercado de trabalho. Então, nós temos que estar conectados com a demanda externa para, justamente, promovermos as mudanças e as atualizações necessárias nesse modelo, nessa matriz curricular", afirmou o professor Mário Sérgio Oliveira Swerts, pró-reitor acadêmico.

Esta edição do Fórum deu início a um ano que será de comemoração para a UNIFENAS, que completa 50 anos de fundação. "2022 é um marco na história da UNIFENAS, pois ela completa o seu jubileu de ouro com inúmeros serviços prestados à educação, à saúde e ao desenvolvimento de Alfenas. Comemorar essa data é reverenciar a memória de seu criador e fundador, Edson Antônio Velano, e renovar o nosso compromisso de dar continuidade ao trabalho competente, sério e inovador iniciado por Edson, e que tem sido a marca da UNIFENAS ao longo desses anos", discursou a profa. Maria do Rosário Araújo Velano, reitora da Universidade.





Daniel Godri Júnior acredita que "precisamos ter a coragem de dizer não sei e determinação de encontrar as respostas"



"Administrar a vida é como navegar no barco da razão num oceano de emoções" (Roger Tonon)



A palestrante Luciana Godri afirma que não estamos isentos das emoções, a questão é como vamos lidar com elas